Feminismo,  Mulheres Inspiradoras

Meghan Markle, casamento real e o feminismo. O que podemos aprender com isso?

Que o casamento real entre Meghan Markle e o Príncipe Harry foi o assunto mais comentado das últimas semanas, isso não tenho dúvidas. O casamento paralisou milhões de pessoas ao redor do mundo para acompanhá-lo e rendeu inúmeras notícias posteriormente. E entre elas a notícia de que Meghan havia abandonado o feminismo por seu casamento foi bastante recorrente.

Mas podemos dizer que Meghan realmente deixou de lado seus valores para se casar com um príncipe?

Príncipe Harry e Meghan Markle no dia do Casamento Real
Príncipe Harry e Meghan Markle no dia de seu casamento. Fonte: https://www.royal.uk/

Feminismo não é sobre escolhas pessoais

Meghan Markle foi julgada como não sendo mais feminista após optar por deixar sua carreira de atriz para se tornar Duquesa, mas ao contrário do que muitos pensam e propagam, escolher entre seguir sua carreira ou se tornar duquesa, ou seja, escolhas pessoais não são lutas do feminismo.

O feminismo luta pelo acesso de todas as mulheres a estas escolhas, de forma legal e social, garantindo opções e recursos para que elas escolham sem medo e com confiança de que terão o apoio necessário. Sua pauta é para que um relacionamento abusivo não seja socialmente aceitável, para que mulheres que escolham trabalhar tenham um ambiente de igualdade em todos os termos e tudo isso com um sistema que as apoie sem julgamentos e provendo todos os recursos necessários.

Um ato não anula nossas ações

Em seu discurso para a ONU Mulheres, a qual era embaixadora, a Duquesa de Sussex conta que se descobriu feminista aos 11 anos de idade quando fez uma campanha para tirar um comercial de detergentes do ar que dizia que as mulheres estavam “lutando” contra panelas e frigideiras engorduradas.

Com sua visibilidade como atriz, Meghan sempre deixou claro seu apoio ao feminismo e trouxe a tona discussões que precisavam ser divulgadas.

Casar-se com um príncipe não apaga o trabalho extraordinário que Meghan fez como embaixadora da ONU Mulher e não invalida seu feminismo. Na verdade o ato de criticá-la por um escolha quebra um dos princípios da causa: a sororidade. Mulheres apoiando mulheres.

Não cabe a nós, feministas e a sociedade em geral, julgar sua escolha e desmerecer suas ações quando não conhecemos suas motivações.

Meghan Markle em seu discurso para ONU Mulheres.
Meghan Markle em seu discurso para ONU Mulheres. Fonte: Youtube

Escolhas pessoais não são base para questionar os valores de uma pessoa. Meghan continua sendo uma mulher inspiradora e que continuará apoiando o feminismo casada com um príncipe ou não. E a matéria que deveria realmente importar sobre este casamento é como tudo estava lindo e os noivos radiantes. E apenas isto.

Oi, eu sou a Bruna, founder do The Gang, tenho 23 anos e sou formada em Publicidade e Propaganda, trabalhando atualmente com Marketing Digital. Gosto de conversar com as pessoas e conhecer pontos de vista, principalmente sobre livros, séries e filmes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *